• Frete Grátis

Livro Impresso

Psicofarmacologia Clínica da Infância e da Adolescência

  • ISBN:

    9788527714495

  • Edição: 4|2008
  • Editora: Guanabara Koogan

Green

Indisponível Temporariamente

Sem Estoque
SKU
57076
ou em até 3x de R$ 46,93
Já se passaram 15 anos desde a publicação da primeira edição da Psicofarmacologia Clínica da Infância e da Adolescência. Três tendências mais importantes na psicofarmacologia da infância e da adolescência desde a última edição merecem destaque. Em prim...

Conteúdo relacionado

  • Formato: Impresso
  • Páginas: 360
  • Publicação: 13/08/2008
  • Capa: Brochura
  • Peso: 0,56 kg
  • Dimensões:

Já se passaram 15 anos desde a publicação da primeira edição da Psicofarmacologia Clínica da Infância e da Adolescência. Três tendências mais importantes na psicofarmacologia da infância e da adolescência desde a última edição merecem destaque.

Em primeiro lugar, depois de um período de grande entusiasmo pelas novas medicações, especialmente os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS) e os antipsicóticos atípicos/de segunda geração (ASG), e o aumento do número de prescrições dessas drogas a crianças e adolescentes, houve uma restrição bastante significativa, repleta de Avisos em Tarja Preta e Notas em Negrito determinados pela FDA norte-americana. É importante notar que, embora os ISRS e os ASG sejam amplamente prescritos em muitos transtornos psiquiátricos distintos em crianças e adolescentes, quase todas essas prescrições são para indicações não aprovadas pela FDA.

As únicas indicações aprovadas atualmente pela FDA para o uso de ISRS em crianças e adolescentes são para a fluoxetina, em pacientes diagnosticados como portadores de transtorno depressivo maior (TDM; idades maior ou igual 8 anos) ou transtorno obsessivo-compulsivo (TOC; idades maior ou igual 7 anos), para a sertralina no TOC (idades maior ou igual 6 anos) e para a fluvoxamina no TOC (idades maior ou igual 8 anos); não há nenhum uso aprovado pela FDA para ASG em pacientes com idade maior ou igual 18 anos. Assim, muitos dos achados que contribuíram para a maior recomendação de cautela na administração dessas drogas decorreram de estudos realizados em crianças e adolescentes depois da comercialização inicial e do relato de eventos adversos.

Seção I: Princípios Gerais
1) Introdução
2) Princípios Gerais de Psicofarmacoterapia de Crianças e Adolescentes

Seção II: Drogas Específicas
3) Introdução
4) Aminas Simpatomiméticas e Estimulantes do Sistema
5) Drogas Antipsicóticas Típicas de Primeira Geração
6) Drogas Antipsicóticas Atípicas de Segunda Geração e Outras Drogas
7) Drogas Antidepressivas
8) Estabilizadores do Humor: Carbonato de Lítio e Antiepilépticos
9) Drogas Ansiolíticas
10) Outras Drogas

Referências

Índice Alfabético

Wayne Hugo Green, M.D.:

New York University Child Study Center
New York, New York