Idalberto Chiavenato | Gestão de Pessoas - O Novo Papel da Gestão do Talento Humano

Gestão de pessoas | 24 Acesse conteúdo sobre Papéis da área de RH da IBM na seção Tendências em GTH – GP 1.2 TENDÊNCIAS EM GTH Gestão Humana como componente estratégico da organização Gerir talentos e competências humanas representa hoje uma questão estratégica para as empresas. Uma atividade importante demais para ficar limitada a apenas um órgão da empresa. Não é mais possível que apenas uma única área da empresa consiga centralizar e enfeixar a gestão do universo de competências e talentos da organização. Em épocas passadas, quando havia estabilidade, certeza e permanência, em que pouca coisa mudava e as pessoas trabalhavam de maneira rotineira e bitolada, sem acréscimos de novos conhecimentos e competências, o RH funcionava como o único responsável pela gestão de todos os recursos humanos da empresa. Cuidava da manutenção do status quo e da socialização organizacional tendo em vista o passado e as tradições da empresa. Agora, em plena Era Digital, em que mudança, disrupção, incerteza, imprevisibilidade e competitividade são os desafios básicos da empresa, esse antigo sistema centralizador, hermético e fechado não funciona. O monopólio do RH desapareceu. E também seu antigo isolamento e distanciamento das principais decisões e ações estratégicas do negócio da empresa. Um mundo novo e diferente está se abrindo para a gestão humana. E nunca ela foi tão necessária neste momento de mudanças e profundas transformações. Só que o seu papel está se tornando diferente, amplo, dinâmico e inovador. Sobretudo estratégico e focado no negócio da empresa. 1.6.1 Centralização/descentralização das atividades de GTH O conceito básico de que gerir pessoas é uma responsa- bilidade de linha e uma função de staff é fundamental. Acontece que as empresas sempre se defrontaram com o desafio: quanto centralizar ou descentralizar sua área de gestão humana, na qual sempre predominou forte tendência para centralização e concentração na presta- ção de serviços para as demais áreas. A tal ponto que, em muitas empresas, as atividades como recrutamento e seleção, admissão, integração, treinamento e desen- volvimento, gestão de salários e remuneração, gestão de benefícios, higiene e segurança, gestão do desempenho ficavamestreitamente concentradas na área de RH, com pouca participação gerencial das demais áreas. E nisso, a área de RH era exclusivista e, até certo ponto, fechada e hermética, mantendo a sete-chaves os segredos de suas decisões e atividades. A atividade prestadora e executora de serviços do staff prevalecia sobre a res- ponsabilidade de linha dos gestores da empresa. A tal ponto que o staff é quem tomava as decisões peculiares da linha. A centralização preponderava sobre a descen- tralização. E nem sempre os gestores acreditavam ou confiavam no RH. TENDÊNCIAS EM GTH Gestão Humana como responsabilidade de linha  e função de staff Agora, o nosso conceito central – responsabilidade de linha e função de staff – está se tornando uma necessidade imperiosa para a sobrevivência das empresas. A balança está se inclinando rapidamente para o lado da descentralização e desmonopolização das decisões e ações a respeito das pessoas. A Gestão Humana está abandonando suas operações burocráticas e se transformando cada vez mais em uma área de consultoria interna para preparar e orientar os gestores de linha para a nova realidade. Esses são os gestores de pessoas, o que significa que as decisões e ações a respeito das pessoas passam a ser de alçada dos gestores e não mais uma exclusividade do RH. A descentralização está na moda, envolvendo delega- ção de responsabilidade aos gestores e maior liberdade e autonomia aos talentos colaboradores. Reflita sobre a Importância da equipe de gestão humana para a força de trabalho na seção Para reflexão - GP 1.2

RkJQdWJsaXNoZXIy NzMzNTkw